terça-feira, 30 de junho de 2009

MURAIS DE CARYBÉ - AEROPORTO DE MIAMI (EUA)

Olhar sobre paredes enquanto se sobe ou desce a escada rolante do Aeroporto de Miami (EUA) passou a ser uma ação que viajante nenhum, deverá deixar de fazer. É que dois muraisde 15,5 x 5,5 m –, pintados por *Hector Paride Bernabó, Carybé (1911-1997), em 1960, foram dispostos ali, um de cada lado. O movimento uniforme e intermitente das escadas permite um efeito como se fosse um “travelling”, e facilita a fruição porque aproxima o observador, que poderá ver com detalhes as figuras que povoam o universo do artista.

As obras foram instaladas no Aeroporto de Miami porque, há dois anos, a Odebrecht soube, por meio de uma baiana, que as pinturas poderiam ser demolidas junto com a ala em que estavam fixadas no Aeroporto John Kennedy, em Nova York. A empresa promoveu a retirada, a restauração e transferência dos painéis. Dia 25 de junho passado, as peças, que simbolizam a história e a cultura dos Estados Unidos, foram redescobertas numa recepção com autoridades, executivos da empresa e familiares do artista. Os murais "Alegria e Festa das Américas" e "A Descoberta do Oeste", foram pintados e instalados por Carybé há 50 anos, depois de ganharem o primeiro e o segundo lugar em um concurso promovido pela American Airlines para escolha de trabalhos para decorar o setor que a companhia ocupava no Aeroporto de Nova York.
Em 2007, antes de uma reforma começar a ser feita, a baiana Beatrice Esteve, voltava para o Brasil. O carregador de malas Darren Hoggard comentou que aquelas obras de artista seriam destruídas por causa da reforma. Darren arriou as malas de Beatrice no chão e os dois selaram o compromisso de encontrar um jeito de preservar as obras. E seguiram para os balcões da American Airlines, mas logo viram que nada seria encaminhado por ali. Ao chegar a São Paulo, Beatrice contatou o Conselho de Administração da Odebrecht, desencadeou uma operação emergencial. Isto porque as telas tinham sido pintadas diretamente na parede e esse aspecto significava que dificilmente poderiam ser apartadas. Ninguém sabia como se poderia retirar as pinturas sem danificá-las, tampouco onde recolocá-las.

Pensou-se em mandar as peças para a Bahia, o mais sensato foi depositá-las em galpões no Bronx, para restauração. Em dezembro, em um inóspito aeroporto em processo de demolição, sem energia para iluminação ou calefação, os restauradores tiveram que trabalhar em ritmo acelerado. Retiraram a parede dividindo cada obra em seis pedaços de 1 tonelada cada, que foram acomodados em berços separados construídos especialmente para eles. Qualquer erro poderia significar destruição irreparável. Carybé construiu e instalou os imensos painéis sozinho e de forma a permitir a remoção, construiu uma parede de quatro centímentros de espessura com dois centímetros de espaço vazio atrás, e assim criou possibilidades para que os painéis fossem retirados. Os detalhes do trabalho foram divididos em quatro fases: retirada da parede, restauração, viagem de caminhão de Nova York a Miami, e a colocação dos painéis
nas paredes do aeroporto de Miami.

"Discovery and Settlement of the West"
Os estilos variados da arte de Carybé refletem o sabor das diversas etnias da cidade, como a rica cultura de Miami. Sua arte de cores vibrantes, cultura rica e tradições místicas da Bahia.

"Rejoicing and Festival of the Americas"

A celebração da vida e o respeito à diversidade cultural compartilhadas entre Carybé e a comunidade de Miami, fazendo do Aeroporto de Miami lugar perfeito para seus murais.

(Jornal "A Tarde" de 28 de junho de 2009 )


*Hector Julio Páride Bernabó ou Carybé foi pintor, gravador, desenhista, ilustrador, ceramista, escultor, muralista, pesquisador, historiador e jornalista argentino naturalizado e radicado no Brasil.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

ESTUFAS

Estou pesquisando sobre ESTUFAS, vou fazer uma no quintal de um cliente, quem sabe se você se empolga e faz uma também. As estufas são frequentemente vistas como estruturas românticas. Originalmente propriedades exclusivas dos ricos e bem nascidos, as estufas eram construídas nos tempos romanos para o cultivo de frutas e vegetais. No século I, Plínio, o Velho, fez uma referência ao Imperador Tibério, que tinha uma estufa portátil protegida por uma cobertura feita de pedra transparente. Essa estufa incomum e rara serviu para cultivar o vegetal favorito do imperador, o pepino.
Antes, o produto que hoje encontramos em quase todos os mercados locais era considerado inestimável em muitas partes do mundo. No século XVII, prédios inteiros foram erguidos para abrigar e propagar laranjas e abacaxis. Antes de serem chamadas de estufas, os nomes dessas estruturas eram tão exóticos quanto as frutas que elas continham. Elas eram chamadas de especularias, laranjerias e “abacaxizerias” (ou estufas para cultivo de abacaxi).

A reprodução de plantas fora de estação deu ao homem uma medida de controle sobre a natureza. O seu encantamento despertou a imaginação e inspirou novos métodos de construção de estruturas dedicadas às plantas. O precioso vidro começou a ser usado cada vez mais na construção de estufas. O estreitamento do mundo das plantas e a exploração das possibilidades do cultivo de espécies úteis e exóticas levaram à construção de estufas maiores e mais elaboradas e algumas delas ainda existem atualmente.

Essa fascinação com a propagação de plantas em um ambiente controlado e protegido nunca diminuiu. A estufa evoluiu de novidade para um componente essencial no modo como alimentamos populações famintas em todo o mundo, cultivamos plantas para pesquisas médicas e preservamos plantas para o benefício das gerações futuras.

Uma estufa pode estender a época de cultivo de uma planta em algumas semanas, ou pode criar um microclima completo que serve como grande substituto para o ambiente natural da planta. Atualmente as estufas são usadas de diversas maneiras ajudando o homem a entender e fazer uso do mundo natural.
Desde a 2
ª Guerra Mundial houve um grande aumento no uso comercial de estufas para alimentar a população mundial. Em climas temperados, as estufas estendem a estação de cultivo e protegem as plantas de condições climáticas ruins. Em maiores altitudes, as estufas aumentam a produção das plantas, administrando a luz disponível. Mesmo em regiões quentes e áridas, estufas especializadas foram desenvolvidas para reduzir as temperaturas e gerenciar a perda de água das plantas por causa da transpiração.
As estufas de Almeria, Espanha, transforma o que antes era uma região pobre numa área de cultivo de vegetais no inverno europeu.
O cultivo de plantas atraentes e ousadas para o mercado de viveiros e floriculturas é uma indústria próspera que deposita confiança nas estufas para cultivarem plantas perfeitas e livres de pestes. Em muitas áreas, o controle do ambiente de uma estufa é mais fácil e mais confiável do que tentar manipular todas as variáveis do cultivo de plantas em espaço aberto.
Universidades e instituições de pesquisas do mundo todo, como o P
rojeto Eden em St. Austell, Inglaterra, estão utilizando os ambientes controlados das estufas para recriarem ecossistemas especializados a fim de entenderem melhor as plantas. A tecnologia das estufas está facilitando o estudo do potencial valor das plantas medicinais e a exploração de maneiras para aumentar os resultados da plantação e tornar as plantas mais resistentes a doenças. As estufas são usadas até mesmo para preservar espécies de plantas cujos habitats naturais são ameaçados.
Artigo de Sara Elliott

domingo, 28 de junho de 2009

REFLEXÃO PARA A SEMANA:

"A vida é maravilhosa, mesmo quando dolorida. Eu gostaria que na correria da época atual a gente pudesse se permitir, criar, uma pequena ilha de contemplação, de autocontemplação, de onde se pudesse ver melhor todas as coisas: com mais generosidade, mais otimismo, mais respeito, mais silêncio, mais prazer. Mais senso da própria dignidade, não importando idade, dinheiro, cor, posição, crença. Não importando nada."

Lya Luft
- Nasceu em 15 de setembro de 1938, Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul, aos onze anos decorava poemas de Goethe e Schiller. Formada em pedagogia e letras anglo-germânicas, iniciou sua vida literária nos anos 60, como tradutora de literaturas em alemão e inglês (já traduziu para o português mais de cem livros, entre outros, traduções de Virginia Wolf, Reiner Maria Rilke, Hermann Hesse, Doris Lessing, Günter Grass, Botho Strauss e Thomas Mann). Lançou seu primeiro livro de poesias em 1964 e não parou mais. -

sábado, 27 de junho de 2009

ESTILISTA MINEIRO RONALDO FRAGA

O Prêmio Planeta Casa deste ano foi para o estilista mineiro Ronaldo Fraga pelo conjunto de sua obra, em breve, deve estrear na área de decoração de interiores. Grande contador de histórias com suas coleções no mundo fashion, para a coleção do Verão 2009, foi até o "Velho Chico" encontrar inspiração.

"O Rio São Francisco é o que mais desperta afeto nos brasileiros"

"Não dá para ficar só navegando na poesia, no peixinho bordado". Para o estilista, "a escolha da roupa é uma escolha política".

Para sua coleção de inverno 2009, ele foi buscar inspiração no espetáculo ´Giz´ de Álvaro Apocalypse para o grupo de teatro de bonecos Giramundo. O texto trata de abandono e desamparo, “do início e do fim do traço”.

Emoção é palavra de ordem nos espetáculos de Ronaldo Fraga.

Na cartela de cores, off-white, cinza, cru e preto entremeados por pontos de pink e vermelho. O tecidos vão do tradicional algodão, passam pela seda para terminar nas lindas lãs sem tingimento.”



Em 2008 fez parceria com a empresa de eletrodomesticos Brastemp, e criou com sua memória afetiva o mini refrigerador. A estética dos anos 50 e tecnologia de ponta, o Brastemp Retrô é o encontro entre o passado e o futuro. Por fora, uma roupagem vintage: pés-palito cromados, especialmente desenhados para não riscar o chão, puxador como os dos refrigeradores antigos. Por dentro, a tecnologia do século XXI repleta de design: serigrafias dos anos 50 foram aplicadas em sintonia com as várias divisões do produto, como porta-latas, separador de garrafas e gaveta multiuso.


Fonte: Diversas na internet

sexta-feira, 26 de junho de 2009

DESIGN INCRIVEL - ERIK JOHANSSON

O designer sueco Erik Johansson é uma referência quando se trata de manipulação de imagens. Com apenas 23 anos, praticante de Jiu-Jitsu brasileiro, estudante de engenharia da computação. Veja abaixo as fotos do seu trabalho incomum e incrivel.



















quinta-feira, 25 de junho de 2009

CASA MÓVEL PARA QUEM AMA VIAJAR

A americana Julie Martin perdeu tudo que tinha devido ao furacão Katrina que assolou os Estados Unidos em 2005. Devido aos eventos Julie fez o improvável, inspirou-se no ocorrido. Largou a sua profissão de especialista em restauração de casas históricas para montar a Marin House-To-Go com o objetivo de construir casas acessíveis e que pudessem ser movidas de um lugar para outro.
O fruto desse trabalho é a pequena casa Fresh Start. Ela possui banheiro completo, cozinha, sala e um quarto que fica na parte superior. Inspirada nas casas desenvolvidas por Jay Shafer da Tumbleweed Tiny Houses a casinha é um charme a parte. Em vez dos comuns “sheds” que temos visto está realmente tem o aspecto de uma casa. O valor para compra é de US$37.900,00.












quarta-feira, 24 de junho de 2009

BOA NOTICIA PARA OS HOMENS: PIPOCA É COMIDA AFRODISÍACO

Eu sou louca por pipoca, guaraná e um bom filme, trio indispensável nos meus fins de semana, agora vejo que a pipoca é comida afrodisíaca para os homens, por que tem uma substância presente no milho, arginina, que aumenta o fluxo sanguíneo e a quantidade de espermatozóides, melhorando o desempenho sexual e a fertilidade. Segundo uma reportagem publicada no dia 22/06/09, no site do jornal inglês Guardian, pipoca pode aumentar o desempenho sexual de homens. O alimento foi listado como afrodisíaco pela revista masculina Men's Health em sua última edição. Outras comidas que aumentam a fertilidade citadas pela revista são água e sopa de tomate.

Não é a primeira vez que a pipoca, alimento descoberto pelos povos nativos da América do Norte e popularizada nos cinemas dos Estados Unidos na primeira metade do século XX, aparece relacionada ao sexo. Em um estudo realizado em 2007, o pesquisador americano Alan Hirsch, da Smell and Taste Treatment and Research Foundation, organização de Chicago que pesquisa o paladar e o olfato, concluiu que o cheiro de alguns alimentos ajuda no sexo. Pipoca com manteiga era um dos alimentos estudados. Segundo a pesquisa, esse cheiro aumenta em até 5% o fluxo sanguíneo no órgão sexual masculino.


http://revistaepoca.globo.com/

terça-feira, 23 de junho de 2009

PRIORIDADE DO SEXO: HOMENS X MULHERES

Gosto de ver os resultados das pesquisaS, ver parametros, sentir como andam as pessoas, o mundo, e medir o termometro para senir minha temperatura em relação ao universo. Estava navegando, estou numa conexão pessíma no momento, e vi uma pesquisa que foi feita recentemente pela Universidade de São Paulo, em dez capitais brasileiras, com 8.200 pessoas com mais de 18 anos, para ver a diferença do papel do sexo entre homens e mulheres.

“Os homens fazem sexo para se sentirem bem, e as mulheres precisam se sentir bem para fazer sexo”.

As mulheres estão mais independentes em relação ao sexo, mas não perderam o romantismo. Mesmo se já fazem sexo sem amor, acham que o amor melhora o sexo. Além do romantismo, ainda sobrevive uma certa submissão da mulher às vontades do homem. A maior preocupação delas na hora do sexo é não decepcionar o parceiro.
O sexo é a oitava prioridade na vida das mulheres. Para os homens, é a terceira.

http://g1.globo.com/

segunda-feira, 22 de junho de 2009

NOVO MUSEU DA ACRÓPOLE - ATENAS (GRÉCIA)

Após sete anos de obra, as portas do Novo Museu da Acrópole se abriram dia 20/06/2009 em Atenas. Tem 25.000 m2, criação do arquiteto suíço Bernard Tschumi, e é uma homenagem aos construtores do Parthenon, que começou a ser erguido após expulsão dos persas, em 480 a.C. Ao custo de US$ 175 milhões, no seu interior as paredes são de vidro (asseguram iluminação natural o ano todo). Manifesto político em dois tempos.
Primeiro tempo é agora: serve para que o governo grego exija a devolução de parte dos frisos do Parthenon (conhecidos como Mármores de Elgin), que foram saqueados pelos britânicos e estão expostos no Museu Britânico desde 1816. Eles foram levados por Lord Elgin, então embaixador do Reino Unido junto ao império otomano. Os frisos contêm baixos-relevos com 192 cenas da vida ateniense, número equivalente aos heróis da famosa Batalha de Maratona, na qual os gregos bateram os persas em 490 a.C. Vários países já devolveram aos gregos suas relíquias do Parthenon, menos a Grã-Bretanha;
Segundo tempo a que o museu alude é histórico: remete ao apogeu da civilização grega, matriz do que chamamos de civilização ocidental, que ocorreu por volta do século V antes de Cristo.

Edifício de três andares, com forma de trapézio. Sustentado por 43 pilares de concreto, com vista através de um piso de vidro para ruínas atenienses do período romano e cristão. No topo, um quarto andar, retangular, torcido 30 graus em relação ao eixo do edifício, com as mesmas dimensões e o mesmo alinhamento do Parthenon, o grandioso templo de colunas que pode ser visto a 267 metros de distância do museu, no alto da Acrópole. Entre o topo e o piso, os andares são interligados por rampas de vidros que giram ao redor de um átrio onde se abrigam 4 mil peças de arte dispostas em ordem cronológica.

domingo, 21 de junho de 2009

POEMA DA SEMANA: RESUMO

"Giletes machucam;
Rios são úmidos;
Ácidos mancham;
Drogas dão cãimbras.
Armas são ilegais;
Nós escorregam;
Gases fedem;
Acho melhor você viver."
Dorothy Parker
1893 - 1967
(Nasceu nos EUA, começou a vida profissional aos 18 anos, crítica literária, roteirista de cinema e escritora de contos e poemas. Sua obra não é vasta, mas continua atual até os dias de hoje. Seus contos são engraçados e ao mesmo tempo tristes. Retratam a amargura da vida do ser humano, com suas contradições e futilidades).

sábado, 20 de junho de 2009

PINTANDO PAREDE - O TOM QUEM DÁ É VOCÊ

Pintar uma ou mais paredes de tons fortes ou em tons mais "leves" é você quem decide. Vai também depender de como você encara as estações do ano, ou se isso é apenas um mero detalhe, o que importa mesmo é como você se sente. Coloco abaixo algumas das tendências deste ano, para pessoas descontraídas, modernas ou mais conservadoras, tudo vai depender da decoração que tem na sua casa e a cor ou estilo do mobiliário. Apenas aconselho que sempre tente deixar sua casa acolhedora e familiar.
Sala de Estar e Cinema com um leve tom camurça na parede.

Varanda, com um toque de cor no chão e a parede acompanhando, como se fosse uma continuação (ao fundo mesa e quatro cadeiras - dignos de uma sala de jantar-, tapete persa e sofa, última tendência para varandas).

Sala de jantar e o detalhe da parede em caramelo queimado, onde foram colocados os quadros, bela composição (observe as cadeira: quatro com estampas florais sem braço, e duas cadeiras lisas, com braços; o lustre em cristal a a iluminação no entorno da sala com spots embutidos no teto).


Home teather, paredes com painéis e pintura terracota (a mesa de centro são quatro pufs, que também servem como pezeira).


Quarto casal com parede beringela.

Sala de Jantar com tons de lilás primaveril, deu uma boa leveza e jovialidade ao ambiente.

Cozinha com meia parede pintada em epoxi, cor beringela.
Sanitário com paredes em cerâmica e pintura na cor telha (detalhe do lustre de cristal que esta na moda para todos os ambientes).

Sala de Estar em lilás azulado (os tons pastéis em sintonia).

Lavabo com meia parede pintada em amarelo manga.

Fotos: Pesquisas na internet

sexta-feira, 19 de junho de 2009

LOJA TEM FACHADA EM METAL ENTRELAÇADA - BELO HORIZONTE (MG) - BRASIL

A expressão “vestir o edifício” é usual na arquitetura. Fala dos revestimentos externos empregados, das reentrâncias e saliências observadas, do caráter final plástico do volume construído. Estou falando do projeto para uma loja de roupas do arquiteto Marcelo Alvarenga em Belo Horizonte (Minas Gerais) - Brasil, o uso dessa expressão é literal. Ele realmente teve a intenção de “vestir” (na mais pura acepção da palavra), um sobrado foi adaptado para receber a loja. A porção lateral foi demolida para dar espaço a um passeio de entrada e a uma ampliação dos limites internos, formando um espaço amplo para exposição das roupas e acessórios. Da grande porta de madeira pivotante da entrada se acessa a nova porção lateral, coberta por um pergolado de vigas metálicas e chapas curvas de policarbonato, que permitem a entrada abundante de luz natural no interior da loja.
Veja como se veste um fachada como se fosse uma roupa, e tem ainda a trama do tecido: uma malha metálica. “O projeto apropriou-se da ideia de malha, inerente ao tricô produzido pela marca”, explica o arquiteto.


IDÉIA LUMINOSA

Abajures para todos os gostos e em diversas cores. Companhia perfeita para aqueles momentos em que tudo o que você precisa é uma luzinha baixa, para leitura ou estudos.


A luminária Eva é uma criação de Isa de Paula Santos.



Essa é a forma ideal de iluminar seu ambiente de estudo e leitura.





Designer de Rita Valadares, essa bela luminária artesanal, da marca mineira Scatto Lampadário.




A iluminação certa para não ficar ofuscado quando for assistir televisão.











Fontes diversas na internet